FREE DOWNLOAD ⚆ O Homem de Constantinopla ♓ Opel-rallye.de

A arte n o uma coisa que exista naturalmente no mundo, trata se antes de uma cria o humana A arte o produto da ac o do homem quando ele tenta transcender a sua condi o animal e passar de criatura a criador A arte surge quando algu m transforma um acto animal num objecto cultural que se pode tornar sublime Ao pintar uma cena na floresta, o homem torna se Deus porque cria numa tela a natureza, ao contar uma hist ria num romance o homem torna se Deus porque cria no papel a vida de pessoas, mesmo que imagin rias. 3.3 5 FREE DOWNLOAD ♪ O Homem de Constantinopla ♘ O Imp Rio Otomano Desmorona Se E A Minoria Arm Nia Perseguida Apanhada Na Voragem Dos Acontecimentos, A Fam Lia Sarkisian Refugia Se Em Constantinopla Apesar Da Trag Dia Que O Rodeia, O Pequeno Kaloust Deixa Se Encantar Pela Grande Capital Imperial E Ao Atravessar O B Sforo Que Pela Primeira Vez Formula A Pergunta Que Havia De O Perseguir A Vida Inteira O Que A Beleza Cruzou Se Com A Mesma Interroga O No Rosto N Veo Da T Mida Nunuphar, Nos Tra Os Coloridos E Vigorosos Das Telas De Rembrandt E Na Arquitectura Complexa Do Trai Oeiro Mundo Dos Neg Cios, Arrastando O Para Uma Busca Que Fez Dele O Maior Coleccionador De Arte Do Seu Tempo Mas Kaloust Foi Mais Longe Do Que IssoTornou Se O Homem Mais Rico Do PlanetaInspirado Em Factos Reais, O Homem De Constantinopla Reproduz A Extraordin Ria Vida Do Misterioso Arm Nio Que Mudou O Mundo E Consagra Definitivamente Jos Rodrigues Dos Santos Como Autor Maior Das Letras Portuguesas E Um Dos Grandes Escritores Contempor Neos Sem duvida alguma que JRS muito melhor neste registo do que na saga Tom s Noronha Apesar do registo hist rico ser sempre bem trabalhado, Tom s Noronha um personagem algo enfadonho, bem como a trama em que se envolve.Em O homem de Constantinopla , JRS optou por uma biografia romanceada de Calouste Gulbenkian, que terminar no volume Um milion rio em Lisboa Sendo assim, siga para o pr ximo. 18 , ,. Confesso a minha relativa desilus o com este O Homem de Constantinopla Aquilo que caracterizava os livros de Jos Rodrigues dos Santos era o evidente esfor o de pesquisa, o gosto pelo pormenor hist rico, pelo enquadramento do drama num contexto assim foram os livros da saga Tom s Noronha, e assim foi tamb m A Vida num Sopro e O Anjo Branco , o meu preferido Aqui temos uma sucess o algo desgarrada de situa es envolvendo uma fam lia arm nia no Imp rio Otomano, e a sua ascens o no mundo dos neg cios, primeiro pela ast cia do patriarca Vahan, depois pelo engenho do filho Kaloust Mas enquanto lemos esta hist ria, aprendemos algo sobre o fim do Imp rio e o per odo pr guerra mundial Identificamos lugares, personagens, situa es Somos transportados para aquela poca, ou sequer sentimos algo por aquelas personagens Kaloust podia ser um her i um bom homem amante da arte, que se interroga sobre o que a beleza, bem sucedido nos neg cios e na vida ou um anti her i um negociante feroz, um homem de neg cios implac vel, ego sta, ambicioso , mas no fundo um menino que nasceu rico, casou com uma jovem porque ela era rica, faz neg cios com os turcos que chacinaram o seu povo para enriquecer e sustenta amantes demasiado jovens por raz es m dicas uma personagem que n o cria empatia, e sendo toda o livro centrado na sua hist ria, s o 501 p ginas de alguma indiferen a e total desapego pelo seu destino Ao contr rio do autor no final de um Telejornal, um livro que n o nos pisca o olho no final da sua leitura Esta foi a minha obra de estreia do autor Sempre quis ler uma obra dele e como surgiu a oportunidade de a ler para a escola aproveitei.Acho que n o foi a escolha mais acertada Por vezes tornava se um bocado mon tono, mais concretamente as conversas sobre o petr leo, o que levava por vezes a uma leitura mais lenta Tirando isto gostei da obra.Esta obra presenta nos com uma fam lia otomana e a sua ascens o no mundo dos neg cios, todo o seu caminho para chegar ao topo.N o consegui identificar me com a personagem principal N o daquelas que vai ser recordada.Em suma, a obra ficou aqu m das minhas expectativas mas espero ler outra obra do autor que goste mais. Confesso N o consigo resistir aos livros de Jos Rodrigues dos Santos JRS Quando sai um apresso me logo a ler E este foi fabuloso Li o de uma assentada e ao fim de dois dias j estava a desfolhar a ltima p gina.Neste seu novo livro JRS retrata a vida de Calouste Gulbenkian Dividido em dois volumes, o segundo ser publicado a 23 de Novembro com o t tulo Um Milion rio em Lisboa , este romance come a com a chegada de Krikor a Lisboa quando o seu pai j se encontra moribundo Krikor encontra por entre os pap is do pai dois volumes que dariam os t tulos dois dois livros de JRS Este foi o primeiro livro que li do JRS e, n o houvesse uma continua o num segundo t tulo, muito provavelmente seria tamb m o ltimo Inspirado em factos reais, O Homem de Constantinopla pretende ser uma esp cie de biografia romanceada de Calouste Gulbenkian no livro Kaloust Sarkisian , com foco na sua ascens o no mundo dos neg cios e tendo como pano de fundo o decl nio do Imp rio Otomano e a Segunda Revolu o Industrial N o h nada que eu tenha realmente gostado neste romance A narrativa parece pouco consistente, uma sucess o de acontecimentos algo desgarrada, sem um verdadeiro fio condutor Por vezes d ideia se ter sido escrito pressa, ora apresentando desenlaces t o simplistas e abreviados que carecem de verosimilhan a, ora incorrendo em redund ncias explicativas absolutamente dispens veis H tamb m um excesso de detalhes em aspectos completamente paralelos hist ria principal, totalmente irrelevantes e inconsequentes, e que apenas servem para encher p ginas Muitos di logos arrastam se em argumentos que se contrap em, para acabarem por se resolver da mesma forma o protagonista interv m com seus argumentos sempre irrefut veis e, como por magia, tudo se decide Os personagens s o absolutamente lisos, sem densidade Sabemos tudo o que fazem, dizem, vestem, comem, fumam etc., mas a dimens o humana n o existe e por isso n o inspiram qualquer empatia O enquadramento hist rico, apesar de superficial e por vezes algo atabalhoado, acaba por ser o que salva este livro.Quero muito acreditar que o Sr Gulbenkian tenha sido uma personalidade com muito mais subst ncia e muito mais interessante do que este Kaloust Sarkisian foi at ao momento E por favor, algu m me diga que o segundo livro melhor do que este.2 por considera o ao Senhor Gulbenkian e sua Funda o